“Não toque em mim!” – Por que alguns povos se encostam mais e outros menos?

Imagine que você seja o único passageiro dentro de um ônibus até o momento que um desconhecido entra e decide se sentar ao seu lado mesmo tendo todos os outros assentos livres.

Como você se sentiria?

Desconfortável, provavelmente.

Isso acontece porque nosso inconsciente nos deixa em alerta quando sente que nosso espaço está sendo invadido. Mas o conceito de “nosso espaço” varia de pessoa para pessoa e de cultura para cultura.

Isolamento em busca de espaço / Foto: Viagem’Grafia

 

Espaço dos brasileiros x espaço de estrangeiros

Você certamente sabe que o abraço e o beijo no rosto que nós brasileiros damos em pessoas que acabamos de conhecer não é algo tão comum em outros países, como por exemplo, no Japão. Por isso, costumamos dizer que somos um povo caloroso e de contato.

Mas pouco é falado de situações onde nós brasileiros é que somos os “frios” e preferimos menos proximidade.

Espaço indiano

Tendo contato com muitos indianos, muitas vezes senti vontade de dar passos para trás ou até mesmo mudar de lugar por causa da “exagerada” e desconfortável aproximação. Mas ao mesmo tempo que me incomodava, também ficava bastante curioso com esse comportamento que era muito comum de ver entre indianos de diferentes regiões do país.

Por que chegavam tão perto?
Por que tantos faziam perguntas tão invasivas quando nem me conheciam?
E por que essa aproximação me incomodava?

O mais curioso é que se para mim, aquelas invasões chegavam a ser “sem noção”, para eles esse comportamento nem chegava a ser visto como uma intromissão. Entre eles a coisa funciona desse jeito.

O motivo dessa diferença

Foi aí que em vez de simplesmente taxá-los como mal-educados, comecei a buscar outras possíveis explicações para esse comportamento. E nesse processo de olhar para eles e olhar para mim, não demorou muito para cair a ficha de que privacidade não é das coisas mais comuns pela Índia. Na verdade, essa linha que separa o “meu-espaço” do “seu-espaço” é bem fina por lá e por uma razão bem óbvia: o país tem muita gente.

Para visualizar melhor essa questão de espaço na Índia, divida o território do Brasil por 3 e coloque dentro dele a nossa população multiplicada por 6! Ficaria bem apertado, não? Então, na Índia é mais ou menos essa a proporção do aperto.

Mapa mundi com a Índia em destaque. Quanto mais escuro, mais gente. / Imagem: Wikimedia

E aí fica bem mais fácil compreender como a densidade demográfica de um lugar, interfere na própria sensação de privacidade e na liberdade que sentimos de interagir com outras pessoas. Crescer e viver obrigatoriamente com um monte de gente, o tempo todo, molda nossos comportamentos. 

Numa analogia, a gente pode enxergar a Índia como uma criança que precisa dividir o mesmo quarto com 10 irmãos. Por outro lado, o Canadá, se parece com um filho único que tem um quarto enorme só para ele. Qualquer humano que cresça em um desses ambientes vai desenvolver hábitos e características próprias que esse ambiente ensina. É inevitável.

Multidão na Índia / Foto: Wikimedia

Cenas dos próximos capítulos

E agora talvez você esteja se perguntando: Então por que os japoneses, que também vivem num país lotado de gente, costumam se comportar de forma tão reservada?

Mas vou deixar esse tema para uma outra postagem.

O mais importante é que compreender culturas onde as pessoas precisam de mais espaço e compreender culturas que não enxergam essas “linhas de espaço” de forma tão rígida, facilita a vida de qualquer viajante.

Compartilhe: