Como fotografar ESTRELAS durante a viagem

Fotografar estrelas pode parecer algo complicado mas, na verdade, você pode conseguir fotos incríveis se compreender alguns conceitos básicos e aplicar algumas técnicas bem simples. Você não precisa ter a câmera mais potente do universo para isso, mas precisará de uma câmera DSLR – não se assuste com esse nome, se sua câmera possibilita a troca de lentes, ela provavelmente é uma DSLR.

Antes de começar, é importante entender como a sua câmera capta a luz e para isso preciso explicar o que é ABERTURA de lente, VELOCIDADE do obturador e ISO – também não se assuste com esses nomes, vou traduzi-los de um jeito bem objetivo e te ajudar a entender a lógica para se tirar boas fotos de um céu estrelado.

Vinicyus Vieira adicionou foto de América,Ásia,África,Antartida,Europa,Oceania Foto 1Céu do hemisfério sul (Foto: Viagem’Grafia)

ABERTURA DE LENTE

Você pode controlar a quantidade de luz que entra na câmera, regulando a abertura da lente. Quanto mais aberta estiver a lente, mais luz entrará na sua câmera e mais claras serão suas fotos. Obviamente, quanto mais fechada a abertura, menos luz e mais escuras serão as fotos.

Vinicyus Vieira adicionou foto de América,Ásia,África,Antartida,Europa,Oceania Foto 2

A abertura de lente é como um olho que quanto mais estiver fechado menos enxerga a luz (Imagem: Wikimedia)

Vinicyus Vieira adicionou foto de América,Ásia,África,Antartida,Europa,Oceania Foto 3

A configuração da abertura da lente é sempre indicada com a letra “F” seguida de um número. Quanto maior o número, menor a abertura da lente (Imagem: Wikimedia)

Vinicyus Vieira adicionou foto de América,Ásia,África,Antartida,Europa,Oceania Foto 4
Círculo vermelho destacando a abertura de lente no display de uma câmera (Foto:Wikimedia)

VELOCIDADE DO OBTURADOR

O barulho que uma câmera faz ao tirar uma foto é o som de uma espécie de “cortina”, que abre e fecha na frente de uma “janela” – que no caso é o sensor que registra a imagem. O tempo que essa cortina fica aberta, também regula a quantidade de luz que entra no sensor. Por isso, quanto mais rapidamente a cortina abrir e fechar, menos luz entrará e mais escura será a foto. Por outro lado, quanto mais lentamente a cortina abrir e fechar, mais luz entrará e mais clara será a foto.

No momento em que a cortina abre, sua câmera está fotografando e captando a imagem. Em outras palavras, é o momento de exposição do sensor. E claro, você é que vai regular a velocidade dessa “cortina”.

Vinicyus Vieira adicionou foto de América,Ásia,África,Antartida,Europa,Oceania Foto 5

Círculo vermelho destacando a velocidade do obturador no display da câmera. A indicação 1/1000 indica a fração de segundo que o obturador vai abrir e fechar – no caso uma foto bem rápida (Foto: Wikimedia) 

ISO

Sua câmera tem a capacidade de amplificar a luminosidade de uma imagem. Pense no ISO como se fosse uma luz artificial criada por sua câmera. Um ISO baixo cria pouca luminosidade, um ISO alto cria bastante luminosidade. Simples assim, mas cabe a você escolher o ISO ideal para cada tipo de fotografia.

Vinicyus Vieira adicionou foto de América,Ásia,África,Antartida,Europa,Oceania Foto 6Círculo vermelho destacando o ISO no display da câmera. As opções mais comuns de ISO, começando do mais baixo, são: 100, 200, 400, 800, 1600 e 3200. No entanto, em algumas câmeras esse número pode ser ainda maior. (Foto: Wikimedia) 

Agora que essas 3 funções foram apresentadas, podemos entender de um jeito mais fácil como conseguir boas fotos de uma noite estrelada.

CONFIGURAÇÕES

Ao configurar sua câmera para captar esses “pequenos” e distantes pontos brilhantes no céu, qualquer outra luz que estiver próxima, terá um impacto muito grande em sua foto e consequentemente atrapalhará a visualização das estrelas. Por isso, procure um lugar afastado de luzes de postes, faróis de carros ou outros tipos de poluição luminosa. Quanto mais escuro o ambiente, melhor.

E neste ambiente tão escuro, como fazer para a foto não ficar totalmente escura?

Você já deve ter notado que o flash da sua câmera tem um alcance de iluminação limitado e não funciona para todo tipo de foto noturna. Na verdade, nem mesmo se sua câmera disparasse relâmpagos seria possível registrar as estrelas com esse recurso.

Então, esqueça o flash e pense que se a câmera precisa absorver o máximo de luz neste ambiente escuro, você precisará configurá-la da seguinte forma:

ISO alto – Para a câmera dar uma forcinha extra nessa iluminação.
Abertura de lente alta – Para deixar o “olho” da lente bem aberto.
Velocidade lenta – Para a câmera abrir e fechar a cortina de forma demorada e ver a cena por mais tempo.

Vinicyus Vieira adicionou foto de América,Ásia,África,Antartida,Europa,Oceania Foto 7Foto na Nova Zelândia com abertura F.3,5 – Velocidade 30/1 (30 segundos) – ISO 6400 (Foto: Viagem’Grafia) 

Em fotos deste tipo, geralmente a velocidade do obturador (“cortina”) deve ser ajustada para 25 segundos, 30 segundos ou até mais. Portanto, não é uma foto rápida e isso requer alguns cuidados.

ESTABILIDADE

Com a câmera tirando uma foto por cerca de 30 segundos é importante que ela esteja imóvel durante esse tempo ou sua foto sairá tremida. Um tripé é a forma mais segura de manter sua câmera estável, mas caso você não tenha um na hora da foto, pode encontrar formas alternativas (também conhecidas como gambiarras) para deixar sua câmera imóvel e evitar tremores. Com muito cuidado já fiz ótimos suportes usando livros e agasalhos mas nada é tão eficiente e seguro como um tripé.

Recomendo que você também ative o “timer” para que sua câmera dispare a foto automaticamente, já que o simples apertar de botão pode deixar sua foto tremida.

Além disso, fotos que duram mais de 30 segundos contam com a possibilidade da câmera registrar as estrelas com uma espécie de rastro – por conta do movimento de rotação da Terra. Fotografias com rastros de estrelas também podem ficar muito bonitas, mas se esse não for seu objetivo, preste atenção neste detalhe.

Vinicyus Vieira adicionou foto de América,Ásia,África,Antartida,Europa,Oceania Foto 8Estrelas com rastro no deserto do Atacama (Foto: Wikimedia)

FOCO

Quando você estiver no meio da escuridão total, enxergar as estrelas pelo visor da câmera pode ser um pouco complicado. Com o foco automático, sua câmera provavelmente não vai encontrar estrela alguma e essa é uma tarefa que você deverá fazer com seus próprios olhos, ou seja, ajustar o foco manualmente.

Caso as estrelas saiam desfocadas, regule o foco de outra forma e tente novamente. Existem algumas técnicas para facilitar nesse ponto, mas eu geralmente vou na base do tentativa-erro-tentativa-acerto.

Vinicyus Vieira adicionou foto de América,Ásia,África,Antartida,Europa,Oceania Foto 9Caso você queira sair na foto, terá que ficar sem se mexer por mais de 20 segundos (Foto: Wikimedia)

LENTE

É normal deduzirmos que as melhores lentes para fotografar um céu estrelado sejam aquelas com maior alcance e potência. Mas não é bem assim, este é um caso em que tamanho não é documento. Para fotografar estrelas, eu acredito que é melhor usar uma lente que torna mais ampla a possibilidade de visão do cenário que está na sua frente, em outras palavras, usar alguma lente do tipo Grande-Angular.

O melhor de tudo é que as grandes-angulares são bem populares e é bem provável que a lente da sua câmera já seja uma delas. Mas vamos deixar essa parte das lentes para uma outra oportunidade 🙂

Espero que depois desse post você já não imagine que tirar fotos de estrelas seja algo complicado.

***

Este artigo foi postado pela primeira vez, pelo mesmo autor deste blog, no Dubbi

Foto em destaque: Viagem’Grafia
Compartilhe: